Artigos

Os Fantasmas do Brasil - Inflação e Juros Altos!

Carlos Alberto Souza Moreira em 09/04/2011 às 2:30h
Voltar

Inflação e Juros Altos! Ainda que você não queira, estes vilões do cenário econômico nacional têm visitado seu jornal, sua TV e sua paciência ao longo do tempo. Longe de querer analisar o significado de cada um destes fantasmas que a décadas vem assombrando nosso País, pretendo ao final deste breve artigo, chamar a sua atenção para a maneira como tudo isso afeta diretamente você e o seu bolso.

Cenário Histórico

O fantasma da inflação assolou durante muitas décadas a economia e o povo brasileiro. Nesta época, não muito distante de nossos dias, era impossível prever o custo de um produto em um curto espaço de tempo de 24 horas. Os analistas a época, não dispunham a arriscar um chute quanto ao assunto. Como reflexo disso pode-se citar o arrocho salarial, o congelamento dos preços e até a falta de alimentos nas prateleiras dos supermercados. Vale lembrar que no período de 1986 a 1994 a inflação no Brasil ultrapassou os limites de 1000% ao ano, reflexo do fracasso de vários programas heterodoxo de estabilidade, baseado no congelamento de preços.
Foi neste momento que o Brasil, então rompeu-se com o maldito fantasma existente chamado de inflação, a custas de muito suor e lágrimas, o País empreendeu uma longa caminhada quase que desesperadora rumo a estabilidade econômica, convergindo nos anos seguintes a níveis muito próximos de países desenvolvidos.

Cenário Atual

Agora, anos depois do mostro (inflação) ter adormecido, o governo vêem sendo assombrado por ele. O aumento da inflação vai exigir que o governo tenha atenção especial sobre suas fontes e causas. “Meu governo está diuturnamente e, até, noturnamente atento a todas as pressões inflacionárias, venham de onde vierem”, disse em recente discurso a presidente Dilma. A presidente afirmou ainda que a inflação será contida com o crescimento econômico. “Preocupo-me com a questão do crescimento sustentado e do controle da inflação, simultaneamente. O que garante a estabilidade da inflação a longo prazo é o aumento do investimento e da capacidade produtiva, que vai permitir que o Brasil tenha, no futuro, uma inflação estável”.

Precisamos tratar com seriedade e segurança, e não nos furtaremos em colocar em ação todas as medidas que julgarmos necessárias e urgentes para controlar esse monstro que tenta se reerguer das cinzas tal como uma Fenix.

Para o Banco Central e o COPOM a inflação é um monstro adormecido, de sono muito leve, que habita o cotidiano dos brasileiros sob o iminente risco de despertar a qualquer momento, portanto, vem se comportando de modo que leve a crer que o crescimento econômico traz consigo a praga da inflação. Por isso, sob a égide das questionáveis “metas inflacionárias”, impõem taxas de juros elevadas objetivando conter a demanda agregada, ou seja, fazer com que os consumidores deixem de comprar. Se não há compradores, qual será o comerciante que elevará seus preços, gerando inflação, se na atual conjuntura não há quem os compre? Não há dinheiro circulando no mercado.

Sendo assim, você não tem nada a fazer, senão acreditar que Ney Matogrosso estava certo ao cantar “Se correr o bicho pega, Se ficar o bicho come”. É assim que os fantasmas do Brasil Inflação e Juros Altos assombram você!

Siga os artigos do Portal Contábeis no Twitter: @forumcontabeis.

De uma nota para este artigo